Contra a escravatura infantil
Série III - PROGRAMA 2

Contra a escravatura infantil

Algumas crianças são órfãs, escravas e vítimas de abusos sexuais. “Alimento” das redes internacionais de tráfico de menores e pedofilia. Muitos meninos e meninas haitianos tornaram-se alvos fáceis depois do terramoto de 12 de Janeiro de 2010. Estima-se que 1,5 milhões de crianças tenham sido afectadas pelo sismo. 500 mil encontram-se em situação de grande vulnerabilidade.

Desde o sismo, a UNICEF tem estado na linha da frente, empenhada em dar uma nova oportunidade às crianças haitianas. Grande parte das escolas ficaram destruídas, por isso é preciso investir na educação dos mais jovens.

Mariana Palavra, portuguesa, trabalha nesta agência das Nações Unidas, na área da comunicação, no Haiti. Estava no país quando aconteceu o terramoto, que registou uma magnitude de 7.0 na escala de Richter e fez mais de 200 mil mortos, 300 mil feridos e dois milhões de deslocados.

Na altura, Mariana encontrava-se ao serviço da rádio da missão de paz da ONU. Logo nas primeiras semanas após a tragédia, dormia em carros. Depois comprou uma tenda, sem colchão, onde passou a pernoitar. Durante noites seguidas sentiu o cheiro a mortos a invadir as ruas da capital Port-au-Prince. Mesmo assim, ficou. Queria – e quer – ajudar a reconstruir o país.

O Haiti não foi só vítima de uma catástrofe natural. Falta respeito pelos direitos das crianças. Se antes do sismo a UNICEF já estimava que 250 mil crianças eram utilizadas como escravas, agora tudo indica que este número disparou. Há relatos de casos de pessoas que, mesmo a viver em tendas em campos de deslocados, obrigam as crianças a trabalhar para elas.

Mas, por entre os escombros e a extrema pobreza, alguns haitianos não desistem. É o caso de Johnny, que oferece o que ficou de pé da sua casa para a UNICEF criar um centro de apoio à infância. Uma espécie de ATL (Atelier de Tempos Livres). Neste, estão mais de 600 crianças inscritas, que dividem o seu dia entre actividades lúdicas e de aprendizagem.

Johnny, que também é voluntário no centro, está convicto de que as crianças haitianas precisam de educação e amor para que o país tenha paz e estabilidade: “Se estas crianças pegarem em armas, os haitianos serão as primeiras vítimas.”

No total, são cerca de 400 os centros criados pela UNICEF, com a ajuda de outras ONG. O esforço é tremendo, mas insuficiente. Num país onde 85% do ensino é privado e a pobreza atinge grande parte da população, o Haiti está ainda muito longe de conseguir que, até 2015, todas as crianças terminem um ciclo completo de ensino primário (2º Objectivo de Desenvolvimento do Milénio).

Todos os conteúdos desta página de internet não são escritos segundo as regras do novo Acordo Ortográfico.
Vídeo
Fotografias:
  • Mariana Palavra, portuguesa, sobreviveu ao terramoto no Haiti e está empenhada na reconstrução do país com a UNICEF.
  • A pobreza extrema no Haiti atinge grande parte da população e obriga muitos pais, desesperados, a entregar os seus filhos ao cuidado de outros, que os usam como escravos.
  • Somevil tem 10 anos e vive com a madrinha, que a obriga a limpar a casa e carregar pesos.
  • A UNICEF estimava que antes do terramoto 250 mil crianças já eram tratadas como escravas. Agora, acredita que o número é muito maior.
  • Mariana conta-nos que falsas ONG foram apanhadas na fronteira com dezenas de crianças que levavam para tráfico de menores.
  • A UNICEF está a criar centros de apoio à infância no Haiti para incentivar a aprendizagem dos mais novos.
  • 85% do ensino no Haiti é privado e, por isso, inacessível à maioria da população.
  • Johnny está desempregado desde o terramoto, mas isso não o impede de ajudar outros haitianos. Oferece o seu tempo e a sua casa para as crianças estudarem e brincarem.
  • A mulher de Johnny, Manelle, sofreu um traumatismo na cabeça no dia do sismo e nunca mais recuperou. A família não tem meios para fazer exames médicos.